Digite uma palavra para pesquisa:
Boletim Informativo
Cirurgia da Coluna
Cirurgia Vascular
Subespecialidades
Dor e Funcional
Neuro Oncologia
Nervos Periféricos
Neurocirurgia Pediátrica
Neuroendoscopia
Neurotraumatologia
Pesquisa
Linhas de Pesquisa
Equipe
Dr. Luiz Roberto Aguiar
Dr. Adriano Maeda
Dr. Alexandre N. Francisco
Dr. Carlos Parreira Goulart
Dr. Carlos Mattozo
Dr. Flávio Hayashi
Dr. Ricardo Guimarães
Dr. Robinson Marques
Ensino
Graduação
Pós Graduação
Liga de Neurocirurgia
Informações ao paciente
Links Interessantes
Imagens
Fale Conosco
 
» Subespecialidades » Neurotraumatologia
 
Hematomas

Hematomas intracranianos são acúmulos de sangue no interior do cérebro ou entre o cérebro e o crânio. Os hematomas podem ser subdural - que forma-se no revestimento externo do cérebro -, epidural - que forma-se entre essa membrana de revestimento e o crânio -, ou intracerebral - que forma-se dentro do cérebro.

A maioria dos hematomas apresenta um desenvolvimento. Os hematomas podem causar confusão mental, perda da memória, perda da consciência, coma, paralisia, dificuldade respiratória, problemas cardíacos e morte.

 Tipos de hematomas

Hematoma epidural

O hematoma epidural é o acúmulo de sangue entre a dura-máter (membrana que reveste o cérebro) e o crânio. Este hematoma é tipicamente causado por um trauma agudo na cabeça que rompe a artéria meníngea média.

O paciente com hematoma epidural pode apresentar perda de consciência com recuperação após alguns minutos ou horas. Porém, posteriormente, o paciente sofre deterioração mental e algumas vezes, coma. Se não tratado, pode causar danos neurológicos irreversíveis, aumento da pressão sanguínea, problemas respiratórios e morte. Apenas de 10 a 27% dos pacientes apresentam os sintomas clássicos. Outros sintomas são cefaléia, vômito e convulsão.

O hematoma epidural é diagnosticado através da tomografia Computadorizada.

Os hematomas epidurais pequenos, que não causem pressão no cérebro, podem ser tratados sem cirurgia. Porém, na maioria dos casos, há a necessidade do tratamento cirúrgico. A indicação cirúrgica pode incluir: qualquer sintoma de hematoma epidural (forte cefaléia, deterioração neurológica), ou um hematoma que meça mais de um centímetro. Os objetivos da cirurgia são: remover o coágulo para diminuir a pressão intracraniana e eliminar a pressão direta no cérebro, parar o sangramento e prevenir um novo hematoma.

Os fatores mais importantes no resultado do tratamento cirúrgico do hematoma Epidural são: a escala de coma Glasgow - que mede nível de consciência do paciente -, pupilas reagentes, exame motor e resultado da tomografia.

Hematoma Subdural Agudo

O hematoma subdural agudo ocorre entre a superfície do cérebro e a dura-máter. Este hematoma geralmente é causado por traumatismo decorrente de aceleração e desaceleração em altas velocidades

O hematoma subdural agudo é diagnosticado através de Tomografia Computadorizada.

Hematomas menores não necessitam de tratamento cirúrgico. Geralmente, a cirurgia é indicada em casos que o hematoma tem mais de um centímetro. A craniotomia é necessária, pois o hematoma está coagulado.

 

Hematoma Subdural Crônico

O hematoma subdural crônico é o acúmulo tardio de sangue, por pelo menos duas semanas após o trauma, localizado sobre a superfície do cérebro. Esse hematoma é mais comum em pessoas acima de 60 anos, que têm atrofia cerebral. Em razão da atrofia, o cérebro fica relativamente menor dentro do crânio. Consequentemente, qualquer trauma pode causar a ruptura de uma artéria resultando no acúmulo lento de sangue. Em razão disto, pode haver grande acúmulo de sangue antes de apresentar qualquer sintoma. Outros fatores de risco incluem alcoolismo, epilepsia, uso de anticoagulantes e diálise renal.

O sintoma mais comum é cefaléia. Outros sintomas incluem letargia, perda de memória, confusão mental, fraqueza, náusea, vômito, alterações visuais e convulsões. Hematomas grandes podem causar paralisia e coma. O hematoma subdural crônico pode simular outras doenças neurológicas incluindo demência, derrame, ataque isquêmico, encefalite e outras lesões como tumores cerebrais ou abscessos.

O diagnóstico inicial é feito com tomografia e ressonância. Na tomografia, estas lesões são tipicamente iso ou hiperdensas e podem se estender sobre grande parte do cérebro. O diagnóstico errado de demência é muito comum em pacientes idosos que apresentam indícios de declínio da função mental em achados neurológicos.

O tratamento é cirúrgico e feito através da retirada da coleção sangüínea através da abertura de um pequeno orifício no crânio (trepanação). A craniotomia é raramente necessária. 

 
 
Neurotraumatologia
Neurotraumatologia
Concussão
Traumatismo craniano que resulta em alterações neurológicas temporárias.
Contusão Cerebral
Áreas de hemorragia que se formam sobre a superfície do cérebro.
Hemorragia Subaracnóide
Sangramento que ocorre de maneira abrupta no espaço compreendido entre o cérebro e as meninges.
Fratura craniana
Ruptura de um osso do crânio.
Traumatismo Craniano
Causados por impacto contra o crânio.